quarta-feira, 30 de julho de 2008

Mas 4 meses é tão pouco! (Lígia)

Após dormir 2 horas, de suuuper ressaca, eu acordei, tomei banho porque ainda tava com cheiro da balada e do papa burguer que sentou do meu lado no Mac. Me troquei, coloquei calça e levei o short, lógico, porque eu nunca conseguiria sair de casa direto com o short. Bom, não vou entrar na piscina porque não gosto de ficar exibindo meu corpinho por ai, então nem vou levar biquini, como sempre. Minha mãe me levou pra frente do cepê e eu logo vi a galerinha e fui lá toda feliz contar das peripécias da minha balada pensando, "como eu vou conseguir beber hoje, preciso comer alguma coisa antes". Entrei no cepê comprei um salgado com a Dani, tivemos uma conversa super foda lá dentro. Saímos, tentamos entrar no onibus e ele tava trancado, dai o George pulou a janela e abriu a porta! A galerinha do mal do terceiro ano entrou tudo num onibus e começou aquela pinga maldita a passar de um lado pro outro. "Calma, ainda não da!", cantamos a ida inteira, como se fosse um acampamento de 5 série. Saimos do onibus dançando claudinho e buchecha, até aí, nada de novo, a boa e velha fau de sempre, pensei, mais um churras do bixos que eu vou beber 18 latinhas de cerveja, rir, dançar e acordar e ir pra fau. Tudo muito perfeito, nada de novidades. O churras dos bixos é sempre um dia esperado, convenhamos...18 latinhas de cerveja!!!
Coloquei o short, fiquei la no meio, no solzinho, conversando com as meninas e vendo os bixos levarem os engradados de cerveja pra churrasqueira. Ele tava de regata preta, tão bonitinho. Que foi?? Só achei ele bonitinho, não vou casar com ele. "Lígia, quem é?" o Gabis perguntou, ahhh gente que saco, não é pra fazer um estardalhaço, é uma questão muito simples, não é nada de mais! "É aquele alí, de regata preta, viu?"
Cerveja vem, cerveja vai, tudo conforme o planejado, dançando com as meninas, rindo pra valer, mais um dia comum, rouba o chapeu do Fi, rouba o chapeu do Isaac, alguns tacles no caminho, tá eu nem sei a sequencia das coisas, a cerveja já tava rolando ué!
Tô saindo da rodinha da galera pra ir conversar com o Guga, e vejo a Kat arrastando os bixos pra nossa roda, e lá tava a regata preta. Olhei pra Kat e ri, eu já tava saindo não dava pra ficar.
Fui conversar olhando sempre pra roda, vendo ele interagindo com meus amigos, todo timido, hahahahaha tão bonitinho. Tá acho que já da pra voltar pra roda, to entrando...e ele saindo, mas que falta de sintonia! "Houlis, eu trouxe ele até aqui!!!", o que eu ia fazer, dar meia volta e voltar??? Calma né?
O dia vai passando, vai passando e, bem, agora é o mais dificil de lembrar, porque eu não lembro (e ele também não lembra muito bem, assume vai!!) eu sei que chegou um momento que ele me falou o nome dele, e dai de regata preta ele virou Luis, e eu dizia o nome dele várias vezes, nem sei bem porque.
E a gente brincou de balanço, e a gente conversou (e ele insiste em dizer que eu fiquei mais perto dele, sempre do lado dele! hahahahaha)
Ele decidiu pegar o violão, droga eu adoro quando eles tocam violão, e ele decidiu tocar sublime, não me pergunte porque, e ele achou que tinha quebrado o violão, e eu adorei o jeito quase desleixado com que ele encarou isso.
Em algum momento a gente decidiu ir pra rodinha de violão maior, e ele foi pegar o casaco porque tava frio, mas desistiu de usar no meio do caminho e me deu (na verdade jogou em mim!!!!) pra eu segurar, tá pode me chamar de 5 série, mas você não dá seu casaco pra qualquer pessoa, e eu super achei que era um pretexto pra gente não parar de conversar.
Fiquei lá na roda, e tudo isso foi meio acontecendo, eu não tava pensando, não tinha um plano, e de verdade eu nunca achei que alguma coisa fosse acontecer, eu não tava esperando nada. Conversar com ele era legal, sei lá.
Eis que a rodinha acaba, ele saiu e eu fiquei meio por lá...começou a anoitecer e eu pensei, ainda estou com o casaco dele, ele deve tá com frio, vou devolver.
Olha bem, até esse momento, esse exato momento o meu churrasco dos bixos tinha sido exatamento como o esperado, divertido com algumas 12 latinhas na conta, e exatamente o que eu queria. Exatamente o que eu queria porque eu não sabia o que estava me esperando, e naquele momento, do "quero você" eu percebi que "exatamente o que eu queria" eu nem sabia ainda, e ele me deu, ele me deu exatamente o que eu queria de um churrasco dos bixos.
E eu tive a impressão que depois que a gente se beijou a gente não conversou muito, a gente se beijou demais. E eu gostei daquilo. Porque a gente tinha conversado bastante antes. E foi engraçado me deixar levar (apesar de eu insistir em dizer que não tive escolha, eu tive sim, e eu escolhi deixar me levar), nada me deteve, nada passava na minha cabeça pra eu virar o rosto. O que é muito estranho me conhecendo do jeito que eu conheço, acho que é uma coisa que eu nunca vou saber explicar direito.
Eu entrei no onibus (com uma latinha na mão como de tradição) e não tinha nem ideia do que aquela noite significaria pra mim 4 meses depois. Eu não tinha ideia do que ia acontecer naquele dia quando acordei. E que alguém poderia saber exatamente o que eu queria, antes mesmo de mim.


4 meses é muita coisa.

Um comentário:

Luis disse...

4 meses foram o suficiente pra eu te conhecer muito, muito mais que suficientes pra eu me apaixona completamente por voce e ao mesmo tempo nao o bastante pra vontade incontrolavel de ta perto de voce do começo passar.

o tempo perdeu o significado depois de te conhece. e eu nao do a minima pro tempo qnd to com vc!

eu ia coloca o email que eu te mandei aqui mas como vc ja viu nao precisa!
xD alem do que o blog eh seu e ia te um comentario maior que o post hahahahaha

e nao sei pq eu acho que vc saiu no tapa com a sua chefe hoje..
que?
eu nem li o post de cima...

xD