domingo, 9 de novembro de 2008

Sobre mais um domingo à tarde (Dani)

Eu sei, projeto, projeto, projeto.. Saco. Nada pior que a obrigação da entrega, quando você não aguenta mais ver aquele programinha chato onde linhas coloridas parecem mesmo a salvação de um mundo todo preto. Ninguém merece trabalhar horas num fundo todo preto. Mas pensa nem, se fosse branco seria pior, ninguém saberia a diferença entre amarelo 1 e amarelo 2.
Domingão à tarde. Na tv, o jogo de sempre. Minha vó assistindo, meu pai deve estar também, mas nem é o time dele que tá jogando. E eu, que não dou a mínima, acabo dando umas espiadinhas como quem não quer nada. Só pra saber o resultado e imaginar as reações, mulher é estúpida mesmo. Só mulher acorda mais cedo pra se arrumar. Só mulher faz hora extra num dia pra poder sair mais cedo e tomar sorvete no outro. Sim, eu faço horas extras. Ridícula. E eu dou umas espiadinhas pro time que mais odeio.
Ontem eu tava disposta a fazer minhas malinhas. Depois do senhor-sem-tempo, acho que nunca contei a história dele, estava decidida a fazer minhas malinhas o mais rápido possível. Não se engane, Daniele, não se engane. Esse é meu lema ao longo do ano, e tem dado muito certo. Saí de todas as minhas relações falidas, coloquei todo meu orgulho e dignidade nos seus respectivos lugares, aprendi a ficar sozinha. Tudo ao mantra do "não se engane, Daniele." Um bom mantra. E aí achei que fosse o momento de fazer a trouxinha e seguir a vida. Porque se não for pra ser bom, que não seja. E vai doer se não for bom, e tem sido bom até então. Mas não se engane.
A ânsia de não se engane é tão forte que eu quase corro. Correr assim não alivia nada, não tira a tensão, mas sei lá, talvez ajude. Mas na hora de sair correndo eu falei tantos não sei, sei lá, que percebi que talvez não fosse a hora de ir assim. Já que tô aqui, pago mais uma diária, não custa muito. Conhecer vinte pessoas legais numa noite não aliviou a bagunça da outra, então calma, não vamos embora ainda. Não sou mais tapadora de buracos.
Preguiça... Eu queria passar a tarde dormindo, porque eu sinto tanto sono? Preciso da dieta revitalizante da Chuba. Talvez seja isso. Tudo uma grande preguiça. Mas esse cansaço disfarçado ajudou no dia que eu tava lá na farmácia. Como toda mulher que se preze, no dia do salário eu resolvi que merecia um presentinho antes de ir ao banco depositar todo o fruto da minha não-preguiça. E comprei uns cremes, ok. Mas percebi que todos os cremes que eu tava procurando eram os revitalizantes. Calma lá, eu tenho 22 anos! Alguma coisa tá errada, não se engane.
Nada de bom na TV, pra variar. Domingão é assim mesmo... só o jogo... E eu torcendo pra que um dia tenha um símbolo desenhado no meu tênis...mas ontem eu assisti Amélie Poulan... eu preciso muito daquela carona na bicicleta, daquele beijo no olho e daquele verde que têm um filtro que "deixa as cores gordinhas". A Carol que me explicou. Preciso sim, e tomara que não seja todo mundo que lê isso porque as pessoas tendem a sair correndo quando leêm essas coisas. Assim como eu saio correndo com mais frequência agora. E aí se todo mundo ler isso eu vou me ferrar porque eu vou ficar sozinha precisando do beijo no olho. Mas eu ando descobrindo que no fundo no fundo todo mundo quer beijo no olho, beijo na nuca, beijo na trave...você também precisa dessa carona na bicicleta, não se engane.

3 comentários:

... disse...

Chu, vc tá escrevendo cada vez mais tão incrivelmente bem que me anda dando vergonha dos meus textos michurucas, droga!
HAHAHAHAHAHAHAHA
Mas eu te amo mesmo assim, entende?

HAHAHAHAHAHAHA
E dáááá-lhe projeto, e o dia estava tão bonito...

... disse...

Ah! Chuba! Toma vergonha nessa sua cara pálida de ficar no cad e lê de novo seus textos menina!

Carol Lopes disse...

todo mundo precisa...
mas também não posso me enganar.
odeio domingo, mais que segunda.