segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Bienal do Livro e a minha crescente chatice (Dani)

Ficar velha é um fato, todo mundo fica. Mas eu já tinha ouvido falar que a gente vai ficando mais chatinha com a idade... e meu Deus, isso é verdade!
Domingo eu fui na Bienal do Livro. Eu sabia que era o último dia, ou seja, que ia estar lotado. E na verdade isso me deixa bem feliz, melhor estar com a sua família na Bienal que estar assistindo qualquer coisa na televisão. Resolvi ir sozinha, não por chatice (caaalma, a hora da chatice vai começar), mas porque meus momentos com livros eu não gosto muito de compartilhar. Tá, chatice. E até porque na minha família só eu gosto de arquitetura e arte, então ia ficar hoooras cansando os outros com comentários como: ah, o Mies é demais... hehe dizem que todo estudante de arquitetura acaba tendo essa intimidade com os famosões, e eu não fujo a regra. As vezes chamo o Le Corbusier de Corbusas...
Mas voltando... ao andar pela Bienal.. como eu fiquei velha e chata!!! Sinceramente, de cada dez editoras eu me irritava com umas cinco... Sério, mulher é idiota agora??? Era só ver uma editora toda colorida, com muitos tons de rosa que lá vinha: Porque as mulheres usam esmalte e os homens usam chuteira?; Aprenda a cuidar dos seus gêmeos (?) em 5 lições; Independente e de Salto Alto e outras coisas do gênero! Inventei ótimos nomes de livros, aliás...
Sério, que coisa irritante... As editoras católicas eu respeito, cada um com a sua religião (eu sou católica, acho). As que os espíritos vem e ditam coisas eu respeito também (e tenho um medinho)... Mas esse como fazer... faça-me o favor!!! Eu fazia questão de fazer a famosa cara de blasé! Podem me esculachar agora e dizer: ah, você é fresca e se acha, BLABLABLA... Mas eu fiz cara de blasé, desculpa!
Eu acho uma puuuta mancada alguém pegar os problemas de alguém, que na grande maioria são todos muito parecidos, criar uma formulinha meia boca e fazer um livro e ganhar rios de dinheiro e resolver SEU PRÓPRIO problema! E acho ainda mais irritante alguém divulgar essas coisas usando menininhas maquiadas e com cara de bem sucedidas que estão ganhando 30 reais pra passar o dia parada ali.
Essa foi a grande decepção da Bienal... Mas tudo bem, essa é a grande decepção do mundo literário inteiro, acho. O pior de tudo é que esses livros custam 20 reais, sei lá. E Machado de Assis, no seu centenário, tava uns 50. E aí? Lógico que a galera compra quem mexeu no meu pudim! A grande coisa era fuçar mesmo... Tinha muita coisa boa!
E só pra não ser chata total... Eu achei que ia ficar irritada com o milhão de crianças que sempre têm em bienais do livro... Mas elas tavam tão felizes e tinha tanta coisa boa infantil que deu saudade dos tempos em que eu ainda não era chata e ia com o meu pai e a minha mãe e eles compravam Monteiro Lobato pra mim. Quase comprei a edição nova, pros meus filhotes ainda vindouros... mas deixa eles chegarem, crescerem e irem comigo! Só pra pentelhar essa meninada que se acha no direito de ser blasé! hahaha

PS: A Editora Taschen e a Editora Paisagem são demais! Propaganda positiva pode né? Me acabei no estande deles!

2 comentários:

Mauricio disse...

Eu nunca me senti satisfeito por ter ido nas bienais do livro, geralmente não tem novidades significantes e os descontos não são grande coisa, pagam a entrada.

observe a minha mediocridade ao comprar na bienal anterior um pocket do garfield e o guia do mochileiro das galaxias.

a feira da historia tem descontos melhores, fica aqui a revelação bombastica. esse ano eu pego o segundo livro do musashi!

bjos

Daniele disse...

Sim, a feira que a faculdade de História da USP faz, geralmente em novembro, têm descontos melhores... Porém a Bienal é um evento de caráter mais que municipal, atinge um grande público, não só estudantes da USP, e foi um assunto de repercussão na mídia essa semana.