sábado, 13 de setembro de 2008

Enquanto eu ouço Amy (Dani)

E assim eu me despeço de você. Sem grandes dramas, sem choro, sem alarde. Você me deu nostalgia esses dias porque eu vi um por do sol maravilhoso. E eu sabia que ele não fazia diferença pra você. Poucas coisas fazem diferença pra você. Você não chora, eu também não. Aprendi, me acostumei. E cansei.
E me despedi de você. Dessa mania bizarra de querer o que não existe, de sonhar sozinha. Sonhos não foram feitos nunca por um só, e eu escrevi esse texto antes de assistir Into the Wild. Chega dessa mania de rir das próprias desgraças, adeus mania. Quero rir de coisas felizes de verdade, quero jogar taco na grama apesar de não ter mais dez anos.
Lembra quando eu tinha treze anos e dava vergonha de ir brincar na praia porque eu queria impressionar o menino da rua? E ele também queria me impressionar e acabavam os dois brincando de pega pega descalços. E se escondendo juntos da minha mãe. E fugindo juntos de bicicleta. E brincar era só brincar, sem ser perverso.
Chega de acordar sabendo como o dia vai terminar, E do telefone tocar e eu saber exatamente quem é, porque odeio esses ciclos malditos de coisas que querem voltar se você não dá um basta, ou desliga na cara, ou não responde. E chega de joguinhos perversos disfarçados de conversas simpáticas.
Tardes de açaí. Tardes de tintas e pincéis. Corrida com amigos novos e nem tão novos. Projeto e risadas. Programas de gordinha tensa. Assistir seriados até dormir. Busca tranquila por proposito. O que quero.. sei lá. Mas se eu achar agora, o que mais vou buscar?
Tchau preguiça absurda de ser feliz. De encontrar afinal gente feliz. Do medo. Como se eu não merecesse, como se eu ainda pagasse. Me despeço muito de você. Todo mundo é igual, no fim das contas. E meu horóscopo dizia que esse é o mês da limpeza.

2 comentários:

Nathalia disse...

Se eu tivesse uma bicicleta te convidaria pra passear. Serve um açaí? Mas se vc preferir beber cerveja, eu tb não vou reclamar...
Só tem mais uma caixa de papelão no meu quarto. Obrigada pela ajuda na limpeza!
Um abraço, que beijo é pra quem mal se conhece.

deh disse...

noossa, sdds desses tempos aí. enquanto vc fugia eu tremia d medo lá...rs. mt bom seu texto, COMO SEMPRE. amo, irmã